Sanofi

5 práticas que aumentam sua criatividade e foco

Adotar práticas criativas no dia a dia não é uma tarefa fácil para todo mundo. Claro, algumas pessoas não parecem ter qualquer dificuldade em criar uma solução inovadora para um problema no trabalho, mas outras se mostram incapazes de sair de suas caixinhas.

O mesmo vale para o foco. Enquanto algumas pessoas têm dificuldade de permanecer lendo um livro sem se distrair por 10 minutos, outras passam tardes e noites focadas nos estudos ou lendo uma história de ficção. No entanto, é importante saber que a criatividade e o foco são habilidades e podem ser melhoradas com algumas práticas simples. Descubra, logo abaixo, como estimular a criatividade!

Fazer caminhadas

Separar um tempinho do seu dia para fazer caminhadas é uma ótima maneira de cuidar da saúde física e mental, ajudando a prevenir uma série de doenças. Além disso, esse exercício físico também é capaz de melhorar a criatividade. No estudo que chegou a essa conclusão, os pesquisadores descobriram que os pacientes que fizeram caminhadas em vez de ficar sentados indicaram mais usos alternativos para objetos do dia a dia. [1]

Ouvir músicas felizes

Encontrar por aí alguém que não gosta de ouvir música é uma tarefa árdua. Mas, caso você seja ou conheça uma delas, existe um bom motivo para mudar de ideia: escutar músicas alegres, segundo um estudo de 2017, ajuda a melhorar o que a Psicologia chama de pensamento divergente. [2] Isso possibilita aumentar a criatividade, chegando a um maior número de soluções para o mesmo problema.

Aprender uma nova língua

Outro exemplo de como estimular a criatividade é se dedicar ao estudo de uma língua diferente. Aprender inglês, espanhol, francês ou qualquer outro idioma diferente da sua língua materna melhora a capacidade de prestar atenção, melhora a memória e ainda aumenta os níveis de criatividade. E isso vale tanto para quem aprende o idioma desde pequeno ou para quem decide se aventurar pelos estudos depois de adulto. [3]

Dormir bem

Ao longo das últimas décadas, a Ciência vem demonstrando a importância do sono de boa qualidade e em quantidade adequada para os mais diversos aspectos da saúde mental. O hábito de dormir poucas horas está associado, por exemplo, ao aumento da sensação de dor, a uma maior dificuldade de concentração, a um maior chance de erros e acidentes. [4] É fundamental, portanto, dormir bem para melhorar o foco ao longo do dia.

Meditação

Outra maneira de se tornar uma pessoa mais focada nas atividades e tarefas do dia a dia é se dedicar à meditação. Essa técnica promove a melhora de vários aspectos cognitivos, como a memória e a concentração. O melhor de tudo é que, segundo um estudo publicado em 2010, os primeiros resultados começam a ser percebidos em cerca de 4 dias. [5]

 

Referências Consultadas:

[1] Give Your Ideas Some Legs: The Positive Effect of Walking on Creative Thinking | Marily Oppezzo, Daniel L. Schwartz | Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory, and Cognition | 2014
[2] Happy creativity: Listening to happy music facilitates divergent thinking | Simone M. Ritter, Sam Ferguson | PLoS One | Setembro de 2017
[3] The Cognitive Benefits of Being Bilingual | Viorica Marian, Anthony Shook | Cerebrum | Setembro e outubro de 2012
[4] Recommended Amount of Sleep for a Healthy Adult: A Joint Consensus Statement of the American Academy of Sleep Medicine and Sleep Research Society | Nathaniel F. Watson, M. Safwan Badr, Gregory Belenky, Donald L. Bliwise, Orfeu M. Buxton, Daniel Buysse, David F. Dinges, James Gangwisch, Michael A. Grandner, Clete Kushida, Raman K. Malhotra, Jennifer L. Martin, Sanjay R. Patel, Stuart F. Quan, Esra Tasali | Sleep | Junho de 2015
[5] Mindfulness meditation improves cognition: Evidence of brief mental training | Fadel Zeidan, Susan K. Johnson, Bruce J. Diamond, Zhanna David, Paula Goolkasian | Consciousness and Cognition | Junho de 2010

 

LINKS:

1) https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0182210
2) https://www.apa.org/pubs/journals/releases/xlm-a0036577.pdf
3) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3583091/
4) https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4434546/
5) https://doi.org/10.1016/j.concog.2010.03.014